terça-feira, 25 de maio de 2010

Sem título

Muitas vezes é um sentimento reprimido...
Que desatina como um grito
Sem perceber, foi um desalento...
Que me pego, de um jeito lento...
Sem percebe-lo...
Não fui recebe-lo...
E assim lastimo,
Por que seguirei o meu caminho com estilo.
Desculpa se julga ser errado,
Por que assim foi libertado.
Sinta o vento como fosse um acalento.
De todo o carinho que tenho.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Em pranto...
Não pude me conter...
Mas o tempo foi passando...
As lágrimas já não caem...
Foram secando como tinha de ser...
O sentimento???
Já não sei o que isso...
Fui me perdendo a cada queda...
E ao mesmo, fui me reconstruindo...
Mas em cada uma...
Continuei...
E a cada tentativa...
Eu via se esvair em minhas mãos...
E de novo estou aqui...
No início...
Tentando novamente...

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Um novo ato

Despontou no horizonte,
A luz que me guia. 
Que me encoraja a cada manhã.
E mesmo que eu queira fazer manha.
E quando percebo...
Tudo já passou...
passado e presente querem se misturar,
Eu paro e reflito...
E coloco um ponto.
E tudo já está tramado para a cama de gato
E assim surjo para um novo ato.